Praça de pedágio da SP-425, em Indiana, gera confusão entre usuários

Autorização divulgada na semana passada contempla somente km 400+100, em Martinópolis; operações no km 436 não têm data para iniciar

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 21/07/2021
Horário 15:06
Foto: Arquivo
Praças de pedágio ficam na Rodovia Assis Chateaubriand, em Indiana e Martinópolis
Praças de pedágio ficam na Rodovia Assis Chateaubriand, em Indiana e Martinópolis

Leitores entraram em contato com a reportagem para denunciar o não funcionamento de uma praça de pedágio no km 436 da Rodovia Assis Chateaubriand (SP-425), em Indiana. Porém, conforme verificado com a concessionária Eixo SP, que administra a rodovia, a mesma ainda não foi ativada pois não contempla este primeiro grupo que iniciou as cobranças na semana passada. 

A que está em pleno funcionamento, de acordo com a publicação do dia 14 de julho no DOE (Diário Oficial do Estado), fica na Rodovia Assis Chateaubriand, porém, no km 400+100 metros, no perímetro de Martinópolis. A informação noticiada por O Imparcial, juntamente com o anúncio de duas praças da Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294), no km 581+700 metros, em Inúbia Paulista; e km 551+700 metros, em Parapuã.

“O início da operação das praças de pedágio será definido pela Artesp  [Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo] e Secretaria de Transportes do Estado”, afirma a Eixo SP. 

Operação das novas praças

O cronograma do contrato de concessão prevê a operação de 16 praças, sendo que oito delas estão na região de Prudente, três delas em funcionamento. Conforme a Eixo SP, o início das operações ocorrerá de maneira progressiva. “Todas as praças de pedágio contam com lombadas eletrônicas nas pistas automáticas e mistas. A velocidade estabelecida na região que abrange as praças é de 40 km/h”, explica a concessionária.

“Maior concessão rodoviária do país, a Eixo SP irá contribuir com o desenvolvimento dos municípios. O repasse do ISS [Imposto Sobre Serviços] pela operação das praças, além da operação nos 62 municípios, prevê a injeção de R$ 2 bilhões ao longo da concessão aos cofres das prefeituras, valores que irão contribuir em serviços como saúde, educação e infraestrutura”, salienta. 

Veja também