Região tem aumento significativo em queimadas

No Parque Estadual Aguapeí, trabalho para conter as chamas entrou para o quinto dia consecutivo

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 19/09/2020
Horário 04:05
Fundação Florestal - No Parque do Aguapeí, trabalhos entraram para o quinta-dia Fundação Florestal - No Parque do Aguapeí, trabalhos entraram para o quinta-dia Imagem: Fundação Florestal - No Parque do Aguapeí, trabalhos entraram para o quinta-dia

Nas últimas semanas, ocorrências de incêndios em áreas de vegetação têm sido frequentes, não apenas na região de Presidente Prudente, mas em níveis nacional e internacional. Conforme o Corpo de Bombeiros, houve um aumento significativo nos registros, uma vez que a estiagem, o tempo seco, calor e os ventos criam um cenário favorável para o início e propagação das queimadas, na maioria das vezes, resultantes da ação do próprio homem. 

De acordo com o 1°-tenente-PM Marcos Antonio Machado Junior, do 14º Grupamento de Bombeiros, as queimadas são mais comuns em área rural, propriedades particulares e também em áreas de reserva e beira de estradas. Segundo ele, geralmente, são provocadas propositalmente para realizar a limpeza de um determinado local, no entanto, acabam perdendo o controle do fogo, que se alastra rapidamente devido à vegetação seca e aos ventos.

“É muito difícil identificar os elementos que causaram o incêndio, pois se tratam de áreas extensas de vegetação e as chances destes focos terem sido causados por fatores ambientais e naturais são mínimas”, afirma Machado.

“Temos atendido inúmeras ocorrências de queimadas em toda a nossa área, que abrange a região oeste do Estado, algumas vezes reiteradamente”, lamenta. 

Queimadas na região e divisa

Na manhã de ontem, o Corpo de Bombeiros retomou os trabalhos para conter um incêndio de grandes proporções no Parque Estadual do Aguapeí, entre São João do Pau d'Alho e Monte Castelo.

Na sexta-feira, a tentativa de apagar as chamas já durava seis dias, o que contou com apoio de um avião monomotor e diversas viaturas da corporação militar. Conforme a Sima (Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente) de São Paulo, até o meio da tarde as equipes ainda estavam no local. 

No mesmo dia, bombeiros estiveram em Junqueirópolis para conter um incêndio em canavial – trabalho finalizado no começo da tarde. Além destas, chama a atenção pelo risco da falta de visibilidade, o incêndio ocorrido no final da tarde de quinta-feira, às margens da BR-158, que liga Brasilândia (MS) a Três Lagoas (MS) – cidades vizinhas a municípios do oeste paulista. Na ocasião, a pista precisou ser interditada após a queima de aproximadamente 4 mil hectares de vegetação e floresta de eucalipto. 

“Recomendamos para os proprietários de terras para que evitem as queimadas, realizem aceiros na propriedade para que caso aconteça, seja mais fácil de controlar o incêndio em razão do espaçamento criado, principalmente próximo das habitações e edificações”, salienta Machado.

“[Que a comunidade] ajude a coibir a prática de atear fogo em terrenos, mato e lixo, e quando verificar a existência de algum foco de queimada, acionar o Corpo de Bombeiros através do número 193 e passar a localização do incêndio”. 

SAIBA MAIS

Polícia Ambiental autua homem por atear fogo em vegetação

Veja também