Tendência do ensino híbrido pós-pandemia 

A modalidade é considerada uma tendência futura na área da Educação, visto que a mistura do presencial e o on-line poderá se consolidar 

PRUDENTE - WEVERSON NASCIMENTO

Data 26/07/2020
Horário 09:55
Arquivo/Adriano Kirihara  - Ensino híbrido mescla o aprendizado online e presencial Foto: Arquivo/Adriano Kirihara  - Ensino híbrido mescla o aprendizado online e presencial

A pandemia do novo coronavírus trouxe diversas mudanças para a educação básica, tornando-a cada vez mais atrelada às diversas ferramentas virtuais. Se antes o estudante tinha a sala de aula como um local de aprendizagem, agora, através do ensino remoto, videoaulas ou aulas virtuais, ele pode aprender de qualquer lugar, basta que esteja conectado à internet. Atualmente, a modalidade que mescla o presencial e o online já é conhecida no mundo dos pesquisadores como ensino híbrido, e poderá se consolidar ainda mais no mundo pós-pandemia
De acordo com a professora universitária e doutora em Educação, Thaisa Sallum Bacco, toda e qualquer mudança social traz impactos para a educação. Para tanto, não tem como pensar a escola enquanto um organismo alheio às ocorrências do mundo. “Se o mundo mudou, a escola deve mudar, especialmente se adaptando para melhor atender ao seu público e cumprir o seu objetivo central, que é formar um cidadão capaz de ler e atuar no mundo, com responsabilidade e ética”, explica. 
A escola também tem como função social possibilitar o acesso ao conhecimento, que vai servir para os sujeitos se posicionarem no mundo, frisa Thaisa. “Na minha opinião, o ensino híbrido, bem como o EAD [ensino à distância], são modalidades educacionais que já estão se consolidando em todo o mundo e devem crescer em virtude do cenário atual. Para tanto, o professor e o estudante devem assumir novos papéis”. 

Ensino híbrido

Conforme Thaisa, o conceito híbrido é uma forma de ensino que mescla o aprendizado online e presencial, dando maior flexibilidade ao estudante quanto ao seu local e horário de estudo. A modalidade, assim como o EAD, exige mais autonomia do estudante, que deve ser mais disciplinado, o que abre a possibilidade de melhorar seu desempenho escolar. Já quanto aos benefícios para alunos e professores, a doutora explica que, sendo mais autônomo e disciplinado, o estudante terá flexibilidade para estudar quando e onde quiser, sem ter que se prender o tempo todo na sala de aula, e o professor sem ter que se deslocar presencialmente ao ambiente escolar, poderá estar em diferentes contextos e realidades, democratizando o ensino, além de contar com estudantes mais pró-ativos.
Em complemento, Fernanda Sutkus de Oliveira Mello, que também é professora universitária e mestre em Educação, diz que o ensino híbrido possui características únicas, que diferem do conceito já conhecido de semipresencialidade. “Ministrar uma aula no modelo híbrido, com recursos tecnológicos, é uma verdadeira oportunidade de alcançar os estudantes do século 21, pois a educação precisa de modelos disruptivos. O ensino híbrido também surge para fortalecer a educação e promover ambientes mais contextualizados e significativos, já que há uma união entre o espaço formal da sala de aula e as aulas com suporte das tecnologias online”, explica.

Novo formato

O novo formato exige mais mudança por parte dos professores do que estudantes, confirma Thaisa. Sobre isso, ela ressalta que qualquer mudança educacional necessita de adaptação e jamais deve ser pensada sob o viés prioritário econômico, como vem ocorrendo no Brasil ao longo de décadas. “As novas tecnologias oferecem inúmeras possibilidades ao campo educacional, desde que o propósito de sua utilização esteja relacionado à melhora da aprendizagem”. 
Fato também descrito por Fernanda, que menciona que para o professor a vantagem é mais significativa ainda, já que utiliza a tecnologia para facilitar o processo de ensino e aprendizagem. “Os professores precisam estar preparados para lidar com as tecnologias e em plataformas digitais, e tudo o que ela pode trazer de facilidade ao seu dia a dia, bem como considerar a natureza peculiar da nova pedagogia de ensino online”.

SAIBA MAIS

Unesp oferece apoio a docentes para as atividades de ensino remoto

Os desafios da educação em tempos de Covid-19

MEC autoriza aulas on-line no ensino superior até dezembro

Ensino a distância está funcionando?

Veja também