Variante P.1 é predominante nos municípios do DRS de Prudente 

66,67% das amostras coletadas na região oeste do Estado apontam para a presença da variante conhecida por ser mais contagiosa e mais agressiva

REGIÃO - GABRIEL BUOSI

Data 28/05/2021
Horário 06:55
Foto: BlackJack3D/Getty Images
Mais de 66% das amostras coletadas na região apontam para a variante P.1
Mais de 66% das amostras coletadas na região apontam para a variante P.1

O Instituto Adolfo Lutz divulgou recentemente um documento com os dados de monitoramento das linhagens do Sars-CoV-2 nas regiões do Estado de São Paulo. Com informações atualizadas em 21 de maio de 2021, o levantamento aponta que no DRS-11 (Departamento Regional de Saúde) de Presidente Prudente, das amostras analisadas, 66,67% são da variante P.1, que surgiu em Manaus no final do ano passado; 19,05% são da linhagem P.2; e as demais 14,29% correspondem à B.1.1.28. “Esse é um dado que tem sido acompanhado por profissionais da saúde, já que a P.1 é uma variante muito mais transmissível e que se sobressai às outras, por isso a predominância dela na região”, aponta o infectologista José Wilson Zangirolami
Para a obtenção de um panorama de ocorrência das linhagens do novo coronavírus nas diferentes regiões de saúde, o Instituto Adolfo Lutz apontou que os Grupos de Vigilância Epidemiológica, em conjunto com os Laboratórios Regionais do Instituto Adolfo Lutz, vieram selecionando amostras positivas com relevância clínicoepidemiológica e representatividade estatística. “O Biobanco Covid-19 recebe esse material, verifica tais amostras, procede ao correto acondicionamento, realiza sua separação adequada e encaminha ao Laboratório Estratégico do Instituto Adolfo Lutz, que realiza o processo de sequenciamento do genoma completo do vírus”. 
De posse dos resultados obtidos, o Centro de Vigilância Epidemiológica realiza a investigação, para que os casos de ocorrência das variantes de atenção possam ser confirmados. Segundo o instituto, foram realizados estudos com 2.225 sequencias. A partir do panorama de circulação do Sars-CoV-2 em cada DRS, o monitoramento das linhagens vem sendo realizado pela seleção das amostras por análises prospectivas para a identificação da ocorrência de casos e acompanhamento da disseminação da doença no espaço e no tempo, identificando municípios que apresentem um risco alto de casos e óbitos em comparação aos municípios vizinhos, como descrito na Portaria CCD-6/2021, para um monitoramento em tempo real, conforme aponta o estudo.

Variante traz alerta

Para o infectologista, esse cenário de predominância da P.1 tem sido acompanhado já há algum tempo, o que faz com que não haja tanta surpresa em relação à sua predominância. Ele alerta, no entanto, que é muito preocupante ter esse dado em mãos, uma vez que, além de ser mais transmissível, a variante da Covid-19 também é mais agressiva e tem levado jovens para a internação. “Diferente do que ocorria na primeira onda. Esse estudo é importante para entendermos como a doença se apresenta e para preparar estratégias de saúde conforme essas evoluções”. 
Zangirolami ressalta que ainda há estudos que tratam da relação das vacinas com as variantes, mas ponta que, aparentemente, os imunizantes presentes no mercado possuem sim efeito contra essas formas da Covid-19. “A recomendação principal segue sendo a mesma: vacinação e cuidados com a saúde”. 

SAIBA MAIS

Variante amazônica na região

Estado confirma presença da variante P.1 em mais três cidades da região

Venceslau confirma primeiro caso da variante mais contagiosa da Covid-19

Variante da Covid: Prudente envia amostras para análise em São Paulo

Veja também