3 penitenciárias da região continuam com visitas suspensas

Medida foi adotada pela SAP após casos de Covid-19 e segue neste final de semana.

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 18/02/2021
Horário 13:52
Foto: Foto: Arquivo/Sifuspesp
Penitenciária de Flórida Paulista também registrou casos de Covid-19
Penitenciária de Flórida Paulista também registrou casos de Covid-19

Continuam suspensas as visitas em três penitenciárias da região de Presidente Prudente. A medida foi adotada na semana passada após casos confirmados de Covid-19 entre funcionários e os privados de liberdade. 

Nas unidades da Croeste (Coordenadoria de Unidades Prisionais da Região Oeste), a suspensão começou no final de semana passado, no pavilhão II do CDP (Centro de Detenção Provisória) de Caiuá, na Penitenciária de Flórida Paulista e na Penitenciária de Pacaembu. As restrições são válidas por duas semanas.

Segundo a pasta, a medida preventiva segue o protocolo estabelecido para a retomada gradual e controlada das visitas presenciais. Devido aos casos, a Administração afirma que são analisados semanalmente para reavaliação da situação.

Medidas de prevenção

Desde o começo da pandemia, a SAP tomou medidas para evitar a contaminação pelo novo coronavírus, o que tem sido acompanhado em reportagens de O Imparcial.

“A pasta distribuiu cerca de 3,4 milhões de máscaras, entre outros equipamentos de proteção individual, além da ampliação na distribuição de produtos de higiene”, afirma. “Todos os custodiados foram e continuam sendo orientados sobre o uso correto de máscaras de proteção”.

Conforme a SAP, a taxa de letalidade pela Covid-19 entre os presos está em 0,29% dos casos. “Muito menor do que a população externa ao presídio, o que demonstra a efetividade das medidas adotadas”, salienta. 

Visitas devem seguir protocolos

As visitas em todas as unidades prisionais do Estado de São Paulo foram suspensas em março, devido à pandemia da Covid-19. Neste período, familiares e detentos se comunicaram por cartas e videochamadas. 

No mês de outubro, em decisão monocrática, a Justiça autorizou o retorno, desde que houvesse a adoção de medidas de preservação da saúde, e que estivesse de acordo com estudos regionais e boletins atualizados das autoridades sanitárias.

A decisão foi criticada por representantes do Fórum Penitenciário Permanente, que reúne Sindasp, Sifuspesp (Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo) e Sindcop (Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária e demais Servidores do Sistema Penitenciário Paulista), que consideraram a decisão "irresponsável".

Após divulgação do plano pela SAP, iniciou-se o retorno “gradual e controlado” das visitas no primeiro sábado de novembro. “A entrada de familiares obedece a uma série de normas para evitar aglomerações e, com isso, conter a disseminação da Covid-19, protegendo a saúde de todos, inclusive de quem está rotineiramente dentro do sistema prisional”, disse a SAP na época. 

Os protocolos com as novas medidas para a visitação foram submetidos à análise e aprovados pelo Centro de Contingência do Coronavírus.

SAIBA MAIS

Familiares pedem retorno de visitas presenciais

SAP prepara plano para retomar visitas presenciais

Sindasp pede que suspensão de visitas em presídios seja mantida

Covid ataca mais servidores que presos na região de Prudente

Veja também