Atrás das grades, conhecimento fomenta ressocialização

Presos que cursam técnico em Administração conversaram com a reportagem sobre a contribuição do aprendizado para o futuro

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 19/09/2021
Horário 04:31
Foto: Roberto Mancuzo 
Na penitenciária de Bernardes, detentos participam do curso técnico de Administração
Na penitenciária de Bernardes, detentos participam do curso técnico de Administração

Adquirir conhecimento nunca é demais. E para aqueles que estão privados de liberdade, uma alternativa é ocupar o tempo com tarefas úteis que serão essenciais para a reconstrução da vida. A reportagem esteve no Pavilhão Escolar da Penitenciária Silvio Yoshihiko Hinohara de Presidente Bernardes, e acompanhou uma aula dos sentenciados que participam do curso técnico de Administração, no Projeto Classe Descentralizada - parceria entre o Centro Paula Souza e a Administração Penitenciária, via Funap (Fundação Professor Doutor Manoel Pedro Pimentel).

A equipe foi autorizada a conversar com dois alunos, desde que não fossem identificados por nomes ou fotografias. Diante disso, serão mencionados por letras. “A” tem 33 anos e cumpre pena no local há cinco anos e sete meses. Ele conta que neste período participou de diversos cursos como de hidráulica, panificação, computação básica e PET (Programa de Educação para o Trabalho). Atualmente, está matriculado no técnico em Administração, o que tem sido bem aproveitado.

“Os professores têm nos ajudado bastante a tirar dúvidas, o retorno é positivo”, afirma. Durante a entrevista, ele mostrou as atividades, que vão desde textos com conteúdos teóricos, à parte prática, a exemplo de cálculos matemáticos. Para o sentenciado, que está perto de ser transferido ao regime semiaberto, esta é uma chance para que as portas possam ser abertas no futuro.

“É um reconhecimento de que estão nos vendo com outro olhar. Quando a gente sair daqui, vai ser uma forma de esquecer o passado e não sermos tachados, mostrando que a gente pode continuar acertando também”, afirma. 

Conforme o aluno, o curso vai “muito além” do conhecimento profissional, e alcança métodos de mudanças na vida. “Nós exageramos e estamos pagando o preço. Então, a nossa vida é uma administração, temos que saber administrar”, considera. 

Conhecimento interrompido

Assim como “A”, “B”, 35 anos, tem se empenhado nas aulas, inclusive, ajudando os colegas que têm dificuldades no aprendizado das disciplinas. Isso porque, antes de ser preso, cursava Administração em uma universidade - futuro acadêmico que acabou sendo interrompido. Mas, quando soube da oportunidade do técnico, demonstrou interesse, o que foi aprovado. 

“Estou retomando aqui dentro e gostando bastante. É uma área que já trabalhei antes, recordo de algumas coisas, então, consigo tirar dúvidas dos companheiros”, conta. Devido à prática e o gosto pela área administrativa, afirma não ter tantas dificuldades. No entanto, o apoio dos professores, mesmo que à distância, tem sido essencial no seu aprendizado. 

Além do curso integral, ele também desenvolve atividades rotineiras na penitenciária, mas lembra que o momento para o descanso também é importante para que possa retomar a aula no dia seguinte. “B” tem 20 anos de pena para cumprir. Apesar do longo tempo, afirma que ao sair pretende seguir com a profissão. Ou, talvez com alguma outra área que possa aprender nos projetos que pretende participar.

detentos da região de presidente prudente participam de cursos técnicos
Foto: Roberto Mancuzo - Cursos oportunizam aos detentos maior expectativa de ingresso ao mercado de trabalho


Foto: Roberto Mancuzo - Cursos oportunizam aos detentos maior expectativa de ingresso ao mercado de trabalho


Foto: Roberto Mancuzo - Cursos oportunizam aos detentos maior expectativa de ingresso ao mercado de trabalho

SAIBA MAIS

Projeto oferece curso profissionalizante a presos

Atrás das grades, conhecimento fomenta ressocialização

Etec Arruda Mello desenvolve projeto em penitenciárias

Veja também