E os testes rápidos de Covid-19 nas farmácias?

Vigilância Epidemiológica de Presidente Prudente e Conselho Regional de Farmácia esclarecem dúvidas sobre as testagens feitas no município e nos estabelecimentos comerciais

REGIÃO - GABRIEL BUOSI

Data 05/07/2020
Horário 05:27
Freepik: Teste rápido é fornecido em farmácias e pela Prefeitura Foto: Freepik: Teste rápido é fornecido em farmácias e pela Prefeitura

Neste momento de pandemia, ao sentir algum sintoma respiratório e que pode ser um sinal de que a pessoa está infectada com a Covid-19, muitas são as dúvidas em relação a qual serviço de saúde buscar – Centro de Triagem, hospital ou posto de saúde – e em qual momento, e se é indicado, procurar um teste rápido de farmácia, que pode apontar para positivo ou negativo para a doença. Neste momento, no entanto, outras dúvidas importantes surgem como: qual a diferença deste teste de farmácia para o fornecido pela Prefeitura? ou então: quanto tempo esperar, desde o início dos sintomas, para realizar a testagem?. Por isso, a reportagem ouviu a VEM (Vigilância Epidemiológica Municipal) de Presidente Prudente e o CRF (Conselho Regional de Farmácia) para repercutir os questionamentos.

De acordo com a supervisora da VEM, Elaine Bertacco, não é possível traçar por ela um comparativo entre o teste feito pela saúde municipal com os testes de farmácias, visto que ela não trabalha diretamente com este segundo produto. No entanto, sobre o teste feito pela Prefeitura, ela comenta que o material foi enviado pelo Ministério da Saúde e aponta que há alguns requisitos mínimos para que ele seja realizado, como a necessidade de ter apresentado o primeiro dia de sintomas há pelo menos 10 dias, diferente do exame que coleta a secreção, que precisa de três a sete dias de sintomas, para que não ocorram “falsos” resultados.

“Nenhum teste é 100% de certeza do resultado, existe uma margem de erro de até 14% no teste rápido, por exemplo, por isso a necessidade de cumprirmos alguns protocolos”, aponta Elaine. Ela afirma, no entanto, que a VEM tem encontrado com frequência informações no portal do SUS (Sistema Único de Saúde), responsável pelo monitoramento, abastecidas, por exemplo, por farmácias, ou então entidades que realizaram testagem em públicos específicos, e que estão incompletas.

“Essa ferramenta do Ministério da Saúde é para que possamos acompanhar a situação individual, mas qualquer um que compra ou realiza esse teste pode cadastrar no portal”, o que dá, segundo ela, margem para erros e eventuais ausências de dados, como telefones ou endereços. Por isso, ela alerta que não há erro em realizar testes em farmácias, mas pede que tanto a população quantos os profissionais se atentem em transmitir de forma correta as informações.

Testagem feita em farmácias
De acordo com a delegada regional do CRF-SP, Rosilene Viel, por ser uma doença nova, as informações sobre a Covid-19 ainda estão em estudo, incluindo como o organismo reage frente ao vírus. Ela diz, no entanto, que geralmente, nos primeiros cinco a sete dias depois do início dos sintomas, os pacientes infectados tendem a ter uma alta carga do vírus SARS-CoV-2. “Portanto, durante este período, pode-se utilizar os testes rápidos que identificam a presença de antígenos”.

Rosilene aponta que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) esclarece que cada teste possui características próprias, quanto a execução, precauções, limite de detecção e interpretação de resultados, portanto, diz que é necessário que todas as informações dispostas nas instruções de uso sejam seguidas e interpretadas. “Nesse sentido, é fundamental que o farmacêutico entreviste o solicitante do teste rápido em consonância com a instrução de uso do teste”.

Há problemas na transmissão dos dados?
Sobre o apontamento da VEM de que há, muitas vezes, problemas na transmissão de dados por parte das farmácias, a delegada regional do CRF-SP afirma que as farmácias que realizarem os testes devem notificar as autoridades de saúde competentes, por meio de canais oficiais estabelecidos, sejam os resultados dos testes positivos ou negativos.

ANS torna obrigatória cobertura de teste de Covid por planos de saúde
SP ultrapassa 600 mil testes de Covid e mira triplicar checagem
Ibope realizará 250 testes rápidos para Covid-19 em Prudente a partir de amanhã

 

 

Veja também