Familiares pedem volta das visitas em penitenciárias

Encontros presenciais passaram a ser virtuais, em decorrência da pandemia da Covid-19

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 27/05/2021
Horário 09:03
Foto: Arquivo
Em março deste ano, outra liminar da Justiça suspendeu novamente as visitas presenciais em decorrência da Covid-19
Em março deste ano, outra liminar da Justiça suspendeu novamente as visitas presenciais em decorrência da Covid-19

São mais de dois meses sem visitar o marido que está preso no CDP 2 (Centro de Detenção Provisória) de Caiuá. A moradora de Presidente Prudente, que pediu para ter a identidade preservada, afirma que não tem sido fácil ficar sem as visitas presenciais - realidade enfrentada por muitos familiares de detentos, em decorrência da pandemia da Covid-19. No entanto, alguns deles, assim como a prudentina, pedem para que as portas sejam novamente abertas, assim como em novembro do ano passado.

“Conversar por vídeo não é a mesma coisa, porque é muito rápido, quando a gente começa a conversar, já acabou”, lamenta. “Nós sentimos saudades de ver nossos maridos, se estão doentes ou não, como está lá dentro, ficamos sem saber. Nós entendemos a realidade, porém, temos que pensar também nas mães que são idosas, que sofrem bastante porque não sabem nem passar um e-mail”, salienta.

Para a prudentina, assim como para outros que fazem parte de um grupo no Facebook, as visitas devem retornar o quanto antes, levando em consideração as saídas temporárias, que já foram liberadas. 

As visitas ficaram suspensas de março a novembro do ano passado, quando houve a retomada em esquema gradual, seguindo os protocolos sanitários, como lavagem das mãos na entrada, uso de álcool gel, aferição da temperatura corporal e a troca de calçados e máscaras, a fim de evitar que levassem o vírus para dentro das unidades prisionais.

Já em março deste ano, outra liminar da Justiça suspendeu novamente as visitas presenciais, devido ao agravamento da transmissão da doença e a capacidade dos hospitais em suportar o atendimento aos infectados.

Desde então, os encontros entre familiares e presos, assim como no ano passado, ocorrem de maneira virtual. A ferramenta, denominada Conexão Familiar, foi criada pela SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) como alternativa de redução do distanciamento, “dando continuidade ao objetivo de preservar e manter o vínculo afetivo entre as pessoas privadas de liberdade e seus familiares neste momento de pandemia”. Antes dela, a primeira fase do projeto contemplou o envio de correspondências virtuais. 

"Cenário é crítico"

Matheus da Silva Sanches, advogado criminalista, expõe que, mesmo com diversas regras para contenção do contágio no sistema carcerário - exemplifica a Recomendação nº 62/2020 do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e a Portaria Interministerial nº 07, de 18/03/2020, “o cenário é crítico” e, na perspectiva do ordenamento jurídico, a suspensão das visitas presenciais torna-se legítima para este fim.

“Ainda mais dentro de uma triste realidade marcada pelas dificuldades encontradas em cumprir à risca o plano de vacinação, falta de leitos em hospitais e o elevado índice de mortes diárias”, afirma.

O advogado ainda considera que mesmo que haja diminuição do índice de contaminação, não poderia haver o  “afrouxamento” das medidas, o que inclui, segundo ele, a retomada das visitas presenciais.

“Entendemos que, nesta perspectiva, o Poder Público teria respaldo legal em continuar com as restrições anteriormente adotadas. De todo modo, é muito importante que todas as decisões prolatadas pelos gestores públicos sejam fundamentadas em dados objetivos e em compasso com as orientações das instituições médicas e sanitárias, com vistas a atingir a finalidade da lei”. 


Cedida - Matheus da Silva Sanches, advogado, reforça que não pode haver “afrouxamento”

Vínculo familiar

Sobre os “encontros” virtuais, o advogado analisa que é preciso de “aprimoramento e democratização” das ferramentas digitais, para que haja “privacidade e conforto”. “Deverá buscar sempre minimizar os reflexos negativos que a suspensão das visitas presenciais provoca ao detento e aos seus familiares”, expõe.

Para os advogados Bárbara Roberta Trojillo Pereira e Diego Gomes da Silva, o vínculo familiar “é muito importante” no processo de recuperação dos detentos, bem como para os familiares que visitam e estão na expectativa do retorno.

“Com o avanço da vacinação e adentrando à fase de transição, onde é permitida uma maior concentração de pessoas nos locais, inclusive em locais de recreação e eventos religiosos, não se vislumbra a continuidade da suspensão das visitas presenciais desde que tomados os devidos cuidados como controle de temperatura, higienização das mãos com álcool em gel, uso correto da máscara, distanciamento entre visitantes e custodiados e a devida fiscalização por parte dos agentes penitenciários de forma a evitar possível contágio”, consideram.

Ainda, segundo eles, embora o cenário continue crítico, ressaltam que a última retomada das visitas presenciais ocorreu mediante “severas fiscalizações”, inclusive, com possíveis instaurações de procedimentos disciplinares aos que descumpriam as regras, motivo pelo qual acreditam ser possível a retomada nestes moldes.

“Os visitantes devem ter plena consciência de obedecerem todas as medidas de prevenção ao contágio, inclusive evitar as visitas quando apresentarem qualquer tipo de sintoma relativo à Covid-19”. 


Roberto Kawasaki - Advogados Bárbara e Diego defendem a importância do retorno das visitas

Liminar suspende visitas a penitenciárias da região

SAP prepara plano para retomar visitas presenciais

Sindasp pede que suspensão de visitas em presídios seja mantida

Covid ataca mais servidores que presos na região de Prudente

Veja também