Morte de Pompéia: “Queria ser mulher”

Homicídio que vitimou travesti traz alerta sobre transfobia, casos que preocupam no Brasil

PRUDENTE - ROBERTO KAWASAKI

Data 18/08/2021
Horário 04:16
Foto: Cedida
Pompéia não via a família há mais de 8 anos 
Pompéia não via a família há mais de 8 anos 

3ª Delegacia de Homicídios da Deic-8 (Divisão Especializada de Investigações Criminais), de Presidente Prudente, concluiu na semana passada o inquérito sobre a morte da travesti Tamires, mais conhecida como Pompéia Ramos Pop. O crime chama a atenção pela forma como foi encontrado o corpo: vítima seminua, com ferimentos na cabeça, pescoço e peito, feitos por objeto pontiagudo. Três homens foram presos e confessaram o crime por desacordo de um programa sexual. O homicídio que vitimou a travesti traz alerta sobre a transfobia, números que preocupam.

Aline Fernanda Escarelli, advogada que acompanha o caso, também foi responsável pela liberação do corpo da vítima, pois a família mora em outro Estado. Conforme a advogada, dados do Antra (Associação Nacional de Travestis e Transexuais) mostram que 80 pessoas trans foram mortas só no 1º semestre de 2021 no país. Além disso, afirma que pelo 12º ano consecutivo, o Brasil é o que mais mata transexuais no mundo.

De acordo com Aline, a rejeição familiar, marginalização econômica e impunidade podem explicar a “alta contínua” dos números, e que a inclusão no mercado de trabalho poderia reverter o cenário. “De modo que não posso afirmar se [a morte da Pompéia] foi transfobia, mas os números gritam essa realidade”, lamenta. A advogada é membro do grupo “Frente Pela Vida das Mulheres”, que realizou uma campanha para angariar dinheiro, a fim de conseguir o translado do corpo da vítima.

“Conseguimos localizar a família, e em dois dias, conseguimos os valores, justamente em solidariedade à família. Mesmo diante da tragédia e da dor dos familiares, a Frente Pela Vida das Mulheres e apoiadores foram surpreendidas com a generosidade das pessoas”, salienta.

"Queria ser uma mulher"

Tamires, de 26 anos, era natural de Cuiabá (MT) e, antes de adotar o nome, era conhecida como Sonir Fabio Ramos. Há mais de 8 anos, ela não tinha contato com familiares e estava em Presidente Prudente há aproximadamente cinco meses. Desde muito jovem, “Fabio”, como era chamado, teve a infância e adolescência conturbadas, e viu na rua uma forma de fugir dos problemas pessoais.

“Ele queria ser uma mulher, tinha essa busca dentro dele”, afirma a irmã, Elaize Maria Ramos, 33 anos. “Acreditava que a família não queria aceitar, então pensou: ‘tenho que ir para longe’. Achou que poderia ser fácil, mas foi sofrimento demais. Então, ele conseguiu realizar o que ele queria”, explica. A mãe de Elaize teve oito filhos, sendo que todos foram doados para outras famílias. A não ser ela e “Fabio”, que ficaram com a tia. 

O corpo de Pompéia foi encontrado no dia 19 de junho, mas até o reconhecimento, a família foi comunicada da morte na tarde de segunda-feira, 21, após contato de um investigador de polícia. “Pensamos que era um trote, porque não tínhamos contato com ele há muito tempo. A polícia conseguiu nosso telefone em um hospital em Santa Catarina, onde ele passou por atendimento uma vez”, relata. 

À espera por justiça

Descrita como uma pessoa “muito amorosa”, "carinhosa", “inteligente”, “amante da cozinha e da literatura”, Pompéia não teve a chance de viver como ela gostaria. “Pelo decorrer da vida e conforme teve essa transformação, as portas foram menores, e a melhor coisa para se sustentar, com certeza foi o mundo de prostituição, por medo da sociedade”, lamenta Elaize.

A saudade é um sentimento que sempre esteve presente na relação entre Pompéia e a família. Nos últimos oito anos em que esteve distante, sem dar notícias, a esperança era de que o retorno fosse breve. “Nos falaram que há três dias ele estava com o pensamento de ver a família. Estava perto de pelo menos olhar para meu irmão, mas a crueldade da humanidade foi mais forte. Esperava receber ele vivo, mas chegou todo judiado, transfigurado, de um modo que ninguém merece”, conta, emocionada.

“Foi muito cruel o que fizeram. A nossa justiça será feita por Deus, não desejo que seja da mesma forma como fizeram com meu irmão, mas que seja uma realidade justa”. 

SAIBA MAIS

Homofobia: entenda o crime e saiba como denunciar 

'Nossa justiça será feita por Deus', afirma irmã de travesti assassinada

Dois homens são presos por morte de travesti em Presidente Prudente

Testemunhas prestam depoimentos sobre morte de travesti em Presidente Prudente

Travesti é encontrada morta no Jardim Cambuy

Veja também