'Nossa justiça será feita por Deus', afirma irmã de travesti assassinada

Tamires, mais conhecida como Pompéia Ramos Pop, foi morta por dois homens devido a um desacordo referente a programa sexual

PRUDENTE - ROBERTO KAWASAKI

Data 19/07/2021
Horário 18:31
Foto: Cedida
Antes da transição, Pompéia era conhecida como Sonir Fábio
Antes da transição, Pompéia era conhecida como Sonir Fábio

Tamires, de 26 anos, era natural de Cuiabá (MT) e, antes de adotar o nome, era conhecida como Sonir Fabio Ramos. Há mais de 8 anos, ela não tinha contato com familiares e estava em Presidente Prudente há aproximadamente cinco meses. Desde muito jovem, “Fábio”, como era chamado, teve a infância e adolescência conturbadas, e viu na rua uma forma de fugir dos problemas pessoais.

“Ele queria ser uma mulher, tinha essa busca dentro dele”, afirma a irmã, Elaize Maria Ramos, 33 anos. “Acreditava que a família não queria aceitar, então pensou: ‘tenho que ir para longe’. Achou que poderia ser fácil, mas foi sofrimento demais. Então, ele conseguiu realizar o que ele queria”, explica.

Descrita como uma pessoa “muito amorosa”, "carinhosa", “inteligente”, “amante da cozinha e da literatura”, Pompéia não teve a chance de viver como ela gostaria. “Pelo decorrer da vida e conforme teve essa transformação, as portas foram menores, e a melhor coisa para se sustentar, com certeza foi o mundo de prostituição, por medo da sociedade”, lamenta Elaize.

“Foi muito cruel o que fizeram. A nossa justiça será feita por Deus, não desejo que seja da mesma forma como fizeram com meu irmão, mas que seja uma realidade justa”, considera Elaize.

SAIBA MAIS

Travesti é encontrada morta no Jardim Cambuy

Testemunhas prestam depoimentos sobre morte de travesti em Presidente Prudente

Dois homens são presos por morte de travesti em Presidente Prudente

 

Veja também