Polícia Civil ouve acusados por maus-tratos a cachorro em república universitária

Investigados afirmam que castração ocorreu para deixar o animal “mais calmo”; conforme o delegado, os rapazes reconheceram que o local não era apropriado

PRUDENTE - ROBERTO KAWASAKI

Data 01/07/2021
Horário 13:43
Foto: Reprodução/Instagram
Polícia Civil acredita que o inquérito deverá ser finalizado nas próximas semanas
Polícia Civil acredita que o inquérito deverá ser finalizado nas próximas semanas

A Polícia Civil já ouviu três dos quatro investigados pelo crime de maus-tratos que vitimou um cachorro numa república universitária no Jardim Vale do Sol, em Presidente Prudente. Os vídeos gravados no momento da castração irregular ainda estão sendo analisados.

O delegado responsável pela investigação, Mateus Nagano da Silva, da CPJ (Central de Polícia Judiciária), afirma que também já colheu depoimentos dos policiais militares que participaram da ocorrência. O quarto indivíduo acusado, apontado como o responsável por realizar a cirurgia, deve ser ouvido nos próximos dias. 

De acordo com Nagano, os investigados relataram que o cachorro estava em estado de abandono, e que foi adotado pelo morador da república, que foi quem gravou os vídeos. Em depoimento, disseram que o cão estava “muito rebelde”, e “danificando bens do imóvel”. Conforme o trio, a atitude do animal teria motivado o dono a decidir pela castração. 

“Falaram que adotaram todos os procedimento de higiene, que sabem que o local não é adequado para fazer esse tipo de cirurgia”, explica Nagano. “Disseram que não houve a intenção de maltratar o animal, e entendem que gerou grande repercussão pelo fato de o proprietário ter gravado [a cirurgia] em tempo real e compartilhado na rede social”. 

“O dono do imóvel era o proprietário do animal. Disse que cuida de mais cachorros, e que cuida ‘muito bem’. Já os outros dois disseram que iriam para a casa participar de um churrasco, e que quando souberam [da castração] decidiram participar do evento”, afirma o delegado.

A Polícia Civil acredita que o inquérito deverá ser finalizado nas próximas semanas, e que na sequência, será encaminhado ao Fórum.

“Todos disseram que estão sofrendo inúmeras ameaças. A gente sabe que cometeram um crime, mas tem que deixar a polícia e a Justiça agir. Fazer justiça pelas próprias mãos não é o conveniente”, salienta o delegado.


Arquivo - Animal foi resgatado após vídeo viralizar nas redes sociais 

Penalidade é mais grave

Os quatro estudantes serão indiciados por maus-tratos. Conforme o artigo 32 da Lei 9.605/1998, a ação é considerada crime. De acordo com o texto, “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos” prevê pena de detenção que varia de três meses a um ano, e multa.

A mesma pena é aplicada a quem realiza “experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos”.

Quando se tratar de cão ou gato, a pena para as condutas será de reclusão, de dois a cinco anos, multa e proibição da guarda. A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.

SAIBA MAIS

Polícia resgata cão que foi castrado em república de estudantes

Cão castrado em república de estudantes está sob os cuidados de uma ONG

Praticar maus-tratos a animais resulta em penas de detenção e reclusão

Responsáveis por maus-tratos em cão são expulsos de universidade

Polícia Civil instaura inquérito sobre maus-tratos a cão em república de estudantes

Veja também