Publicidade

DDMs de São Paulo passam a atender transexuais

De acordo com alteração de decreto, será levada em conta a identidade de gênero e não só o sexo biológico

REGIÃO - DA REDAÇÃO

Data 14/08/2020
Horário 11:26
Reprodução - Mudança traz mais segurança e garantia a este público Foto: Reprodução - Mudança traz mais segurança e garantia a este público

As DDMs (Delegacias de Defesa da Mulher) Estado de São Paulo passaram a atender as vítimas de violência doméstica, familiar ou crimes contra a dignidade sexual levando em conta a identidade de gênero e não só o sexo biológico.

De acordo com alteração do decreto de nº 29.981, de 1° de junho de 1989, desde ontem, as delegacias devem registrar crimes praticados contra pessoas com identidade de gênero feminino e contra crianças e adolescentes.

A modificação, no entanto, não significa que transexuais antes eram impedidas de serem atendidas nas unidades. Segundo a coordenadora das delegacias em São Paulo, Jamila Ferrari, a mudança traz mais segurança e garantia a este público no momento de registrar o boletim de ocorrência.

"A intenção foi deixar claro que nós, como Instituição, não atendemos essas vítimas conforme o sexo biológico, mas, sim, pela maneira como elas se enxergam. É desta forma que trabalham as DDMs", destacou.

Outra alteração em relação às competências das delegacias de defesa das mulheres é o fato de que a partir de agora, as unidades as passam a atender e investigar apenas "infrações penais relativas à violência doméstica ou familiar e infrações contra a dignidade sexual ".

Antes disto, casos como briga entre vizinhas eram levadas à delegacia por ter mulheres envolvidas. Agora essas ocorrências passam a ser tratadas como desentendimento comum em qualquer delegacia.

SAIBA MAIS

Saiba como denunciar violência doméstica na Delegacia Eletrônica

Região ganhará casa abrigo para atender mulheres vítimas de violência doméstica

Violência não é só física: conheça os tipos previstos na Lei Maria da Penha

Veja também