Sindasp é contra retomada das visitas em presídios

Sindicato é autor da ação que proibiu pela segunda vez os encontros presenciais, em março deste ano

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 01/06/2021
Horário 11:55
Foto: SAP
108 servidores morreram em decorrência da Covid-19, afirma o Sindasp
108 servidores morreram em decorrência da Covid-19, afirma o Sindasp

As visitas nas penitenciárias do Estado de São Paulo estão suspensas desde março, devido à decisão da Justiça. A liminar foi acatada por ação ingressada pelo Sindasp (Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de São Paulo), a fim de preservar a saúde dos servidores diante da pandemia da Covid-19. Mesmo com pedidos de familiares para a volta dos encontros presenciais, o sindicato mantém a opinião e se diz contra a medida.

“É inviável neste momento”, afirma José Carlos Ferreira, diretor jurídico do Sindasp. “Estamos vendo o aumento dos casos da Covid-19 na nossa região, os leitos estão praticamente todos ocupados. Se concordar com o retorno dessas visitas presenciais, o risco será muito maior”, explica. O representante ainda teme que a retomada seja responsável por causar um surto no sistema prisional.

“Imagina se essa pandemia se instala lá dentro? Aí vira um caos no Estado”. Desde o começo da pandemia, os agentes penitenciários, assim como as demais forças de segurança, não tiveram o trabalho interrompido. A não ser aqueles considerados do grupo de risco, que foram afastados. De acordo com o sindicato, foram 108 mortes de servidores das unidades vítimas do novo coronavírus.

Agora, com a categoria devidamente vacinada, o risco de óbito diminuiu, mas não o de contaminação. “Nós somos da linha de frente, e os trabalhos continuam, mas com as devidas precauções” saliente José Carlos.

Entre elas está o uso frequente do álcool em gel, a obrigatoriedade da máscara de proteção e o respeito ao distanciamento social.

“As medidas tomadas são as que o governo exige, e é o que estamos fazendo, seguindo à risca. Tanto é que na própria população carcerária não teve essa disseminação toda do vírus, o contrário para nós, agentes penitenciários”, expõe.

“Então, reforço que este não é o momento do retorno presencial das visitas, é uma forma de prevenir que o vírus se instale lá dentro, e de proteger a vida dos nossos funcionários, dos próprios detentos e das famílias que vão até lá”, considera o diretor jurídico do Sindasp. 


Roberto Kawasaki - José Carlos Ferreira, diretor jurídico do Sindasp

Prazo prorrogado

Na sexta-feira da semana retrasada, a SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) publicou a Resolução 65, de 19 de maio de 2021, em que prorrogou por mais 15 dias o prazo estabelecido na Resolução 55, de 5 de maio de 2021 sobre a suspensão as visitas presenciais nas unidades prisionais do Estado de São Paulo em caráter “emergencial e temporário”.

Conforme o texto do Diário Oficial, levou-se em consideração a “preservação das condições sanitárias, de saúde coletiva dos presos e dos servidores penitenciários, da ordem, da segurança e da disciplina das unidades prisionais”.

Além da prorrogação por mais duas semanas, a pasta determina que a medida será reavaliada “a qualquer tempo”, em decorrência de alterações no cenário de saúde pública no Estado.

SAIBA MAIS

Liminar suspende visitas a penitenciárias da região

SAP prepara plano para retomar visitas presenciais

Sindasp pede que suspensão de visitas em presídios seja mantida

Covid ataca mais servidores que presos na região de Prudente

Veja também